O que há de errado com a velhice?
26 de julho de 2017
Daniela Araújo: um escândalo e uma esperança
11 de agosto de 2017

É muito comum encontrarmos pessoas que se decepcionam e se afastam da igreja depois de um tempo de caminhada cristã. Muitas vezes são pessoas engajadas com a obra e que, em determinado momento, se veem em algum tipo de situação em que se sentem frustradas ou até mesmo traídas.

É sempre difícil lidar com decepções e o desânimo é inevitável, por isso, reconheço a legitimidade desse sentimento e reconheço que a igreja dá muitos motivos para isso. Mas se você está vivendo uma situação dessas, é importante que saiba de três coisas:

1) A sua decepção foi provocada por pessoas e pessoas são essencialmente falhas. Por mais que a gente ache que na igreja todo mundo é crente, busca a Deus etc., na prática a gente tem que ser honesto para admitir que nem todo mundo que está na igreja está realmente buscando a Deus e que, ainda que isso fosse verdade, a nossa natureza pecadora não nos permite adotar uma postura 100% correta. Somos humanos, erramos muito e erramos sempre. Logo, onde tem pessoas, tem briga, tem decepção, tem contratempo. É o normal da convivência. E é importante a gente ter em mente que são as pessoas que nos decepcionam, e não Deus.

2) Jesus nunca nos prometeu um mar de rosas aqui na Terra. Ele nos advertiu que seria difícil, que teríamos aflições (Jo 16:33) e que encontraríamos falsos profetas (Mt 7:15-16). Ele também nos orientou a não nos conformarmos com as coisas deste mundo (Rm 12:2) e a fazermos a diferença sendo sal e luz na Terra (Mt 5:13-16). Em resumo: Jesus mandou um “papo reto” e nos mostrou que isso aqui não seria brincadeira. Mas prometeu que estaria conosco até a consumação dos séculos (Mt 28:20). É isso que nos importa! Pode vir a tempestade que for – estamos com o Rei Todo Poderoso ao nosso lado! É Ele quem nos sustenta, é Ele quem nos garante, por isso, não precisamos de mais nada.

3) A igreja é um projeto de Deus para a humanidade e o Evangelho é instrumento de libertação para os oprimidos. Nós, enquanto cristãos e tementes a Deus, temos o direito de negar isso a alguém? Temos o direito de não contribuir para que pessoas sejam alcançadas, libertas e envolvidas pelo amor de Deus? Claro que não! Mas só conseguimos fazer isso através da igreja. Por isso, não podemos nos apegar às experiências negativas que tivemos na igreja A ou na igreja B porque o projeto de Deus é muito maior que isso. Temos que trabalhar para melhorar cada vez mais a aplicação desse projeto, e não abandoná-lo, pois isso não é a solução – é apenas o início de um problema. A intenção de Deus com a igreja é disseminar o amor, ensinar o respeito ao próximo, dar dignidade às pessoas e mostrá-las o caminho da Salvação.

Com base nessas três coisas que citei acima, pergunto: existe algum sentido em abandonar um projeto perfeito de Deus por causa de pessoas imperfeitas? Quem ganha quando você sai da igreja?

Quero, com esse texto, encorajá-la a persistir. Eu sei que muitas pessoas que compõem a igreja nos dão milhares de motivos para desacreditá-la, mas o que interessa é que o Autor desse projeto fez tudo de forma perfeita e que ele tem tudo para dar certo, mesmo sendo executado por pessoas tão falhas. Pense nas coisas boas que a igreja fez por você e por milhares de pessoas necessitadas, não só materialmente, mas também espiritualmente. Pense nas vidas que a igreja consegue ressignificar através do Evangelho, no alento que a Palavra de Deus traz para pessoas desassistidas pelo mundo. A nossa decepção é muito pequena diante de tudo isso. Vamos transformá-la em força pra fazer diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *